Arquivo da categoria: Projetos

Projetos de paisagismo para transformar qualquer espaço em jardim e área verde

Parque Esportivo e Campo de Futebol da PUCRS

Nos anos de 2002 a 2003 desenvolvi o projeto de paisagismo para a área de 3 hectares do Parque Esportivo da PUCRS. O projeto foi elaborado por equipe multidisciplicar da qual participaram: Santini & Rocha arquitetos, Arq. João Postiga, Arq. Bianca Giorgis, engenheira agrônoma Maristela Kuhn e eng. irrigação Rubens Voges. A execução foi feita em parceria com Cauhy jardins.

Espelho d'água
Espelho d’ água do parque -foto: Eneida Serrano

Plantas aquáticas foram plantadas no lago.

Vista geral do parque -foto: Eneida Serrano
Vista geral do parque -foto: Eneida Serrano
Árvores com placas identificação foto: Eneida Serrano
Árvores com placas identificação foto: Eneida Serrano

O estacionamento do Parque foi feito da seguinte forma: Imagine uma floreira gigante de concreto armado que serve como cobertura do estacionamento. E nesta floreira gigante foi criado uma campo de futebol de 10 mil m2 e uma pista de atletismo oficial e arquibancadas. Acompanhe nas fotos.

ao fundo se vê a Av. Ipiranga
Campo de futebol sobre o estacionamento foto: Eneida Serrano
Jardins nas rampas de acesso para o campo foto: Eneida Serrano
Jardins nas rampas de acesso para o campo foto: Eneida Serrano

Para desenvolver o projeto do campo de futebol, a engenheira agrônoma Maristela Kuhn foi a  responsável.  No acompanhamento da implantação, atuamos em parceria.

0028-pista-geral
Vista do campo de futebol foto: Eneida Serrano

Jardins do Tecnopuc

Em 2004, desenvolvi junto com a arq. Eliane Salvi, da Divisão de  obras da PUC e juntamente com a Santini & Rocha arquitetura, o projeto urbano-paisagístico dos primeiros prédios que foram contruídos no TECNOPUC. Seguem imagens da época com destaque para os recantos dos jardins.

0056-geral-com-dell-copia
Jardins em frente a DELL no TecnoPUC foto: Eneida Serrano
0002-detalhe
Jardins em frente a DELL e HP no TecnoPUC foto: Eneida Serrano

 

0006-detalhe-com-dell
Jardins foto: Eneida Serrano
Jardins em frente a DELL no TecnoPUC foto: Eneida Serrano
Jardins em frente a DELL no TecnoPUC foto: Eneida Serrano
0083-recanto-com-banco
Recantos – foto: Eneida Serrano

 

 

Parque Ecológico de Guarapiranga em São Paulo

O projeto para este parque foi classificado em primeiro lugar no concurso público promovido pela IAB/SP em 1990. A equipe era composta pelos arquitetos Carlos Maximiliano Fayet e Cláudio Araújo e as engenheiras agronomas Helena Wachsmann Schanzer e Elaine Lima Nunes. Para desenvolver a parte da reciclagem do lixo a empresa Vida produtos biológicos foi nossa parceira em idéias.

vista-da-represa-e-area-do-parque

maquete-do-projeto

tratamento-da-area-de-uso-restrito-represa-guarapiranga-sp
Desenhos e coloridos das pranchas de apresentação foram feitas pelo arquiteto João Postiga e pelo arquiteto Kofi Essel-Appiah.
area-uso-restrito-tratamento-do-lixo-da-agua-e-viveiro-de-mudas
Parque – area de uso restrito para tratamento da água e reciclagem do lixo

trat-area-uso-intensivo-estacionamento-anfiteatro-restauranteprojeto-para-o-parque-ecologico-de-guarapiranga-detalhamento-das-edificacoes

 

 

 

 

 

Condomínio Horizontal Reserva do Arvoredo

Em 2009 projetei a área condominial dese condomínio em Porto Alegre. Parte da área do condomínio é uma APP- Área de preservação permanente, então foram criadas trilhas na mata nativa de forma a não impactar no ambiente. Todo o projeto e as trilhas na mata foram aprovadas pela SMAM-Secretaria municipal do ambiente natural de Porto Alegre.

Trilha na APP - Área de preservação permanente
Trilha na APP – Área de preservação permanente
trilha-1
Trilha na APP – Área de preservação permanente
trilha-2
Trilha na APP – Área de preservação permanente
trilha-4
Trilha na APP – Área de preservação permanente
trilha-gerivas
Plantio de palmeiras nativas para compensação vegetal

trilha-ponte

 

 

Praça Itália recebe a Feira Me Gusta neste sábado

Em 1990 participei da equipe que desenvolveu o projeto paisagístico da Praça Itália, que fica ao lado do Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre. O coordenador da equipe foi o arquiteto Carlos Maximiliano Fayet e junto com a engenheira agrônoma Elaine Lima Nunes, criamos a praça inspirada na região da Toscana, na Itália.  Esta praça será palco da Feira Me gusta que reúne Arte, Moda e Musica neste sábado. A feira é um evento descolado que acontecerá na área da praça seca. Terá ioga, oficinas e shows de bandas gaúchas. Veja no final do post a programação.

Praça Itália Foto: Eneida Serrano
Praça Itália Foto: Eneida Serrano

A Praça, na época da criação teve o apoio do consulado italiano. A vegetação selecionada para esta praça compatibilizou espécies nativas com exóticas para evocar o clima italiano: ciprestes-italianos Stricta (cipreste-vela), que possui copa bem colunar e árvores que no outono adquirissem a cor avermelhada, como no clima europeu. Árvores caducifólias como o plátano, liquidambar, acer povoam a praça para dar o colorido outonal a paisagem.  Espécies de árvore nativas foram plantadas perto do lago para alimentar a avifauna. Na época não existia computação gráfica e foi feita uma maquete que mostrava a volumetria dos equipamentos e da vegetação.

Salso chorao foto by Carlos Egler
Salso chorao na praça Itália foto: Carlos Edler

Na proposta original, o arquiteto idealizador da praça, Carlos Fayet queria que cisnes habitassem a praça, mas a idéia apesar de encantadora era inviável por vários motivos.

praça itália  by  Carlos Edler 1
praça itália foto: Carlos Edler

AS ATRAÇÕES QUE IRÃO ROLAR NESTE SÁBADO,11/JUNHO, NA FEIRA NA PRAÇA ITÁLIA: 12:00 às 16:00 Oficina de Bambu 13:30 Yoga (atividade) 14 Roleta das Virtudes (atividade) 14:30 Oficina de Origami (atividade) 15h Rodas de conversa (atividade) 15:30h Luiza Eltz (Banda) 17h Diego Deodato (Espetáculo Circologia) 18:30h Erick Endres (Banda) 20h  BANDA Ministério do Groove  homenageando Lucas Melo (https://goo.gl/ZTvwXE)

Mas o que é a ME GUSTA? Feira que mistura música com arte, marcas independentes de roupas e acessórios, brechós, LP, livros, gente bonita de montão e o mais importante disso tudo, você!

Como é a ME GUSTA? Do meio-dia  até o anoitecer, uma festa na rua, uma feira, um bazar, um festival de gente bonita, elegante e sincera. A ME GUSTA é tudo isso e mais um pouco: mistura e combina ARTE, MODA e ACESSÓRIOS, MÚSICA E VARIEDADES. E ainda vão ter deliciosas COMIDINHAS!! Uma composição de idéias e pessoas que criam!

plátano by  Carlos Edler
Plátanos e ciprestes-vela  na praça Itália foto: Carlos Edler

 

Siga o Blog Jardim de Helena nas redes sociais:

Facebook / Instagram / Twitter

 

Jardim residencial

Este jardim é um dos meus preferidos. Foi feito em  1991 em parceria com a arquiteta Helena Karpouzas. O jardim é na casa que um dia pertenceu a própria arquiteta e foi a primeira vez  que trabalhamos juntas. Foi o início de uma longa parceria com lindos jardins feitos em Porto Alegre.

jardim-hk-casa
Banco do jardim desenhado pela arq. Helena Karpouzas Foto: Helena Schanzer

Neste jardim foi criado um piso de brita zero  e forrações perenes como capim azul, ajuga-roxa, agapantus e grinalda-de-noiva anã.

jardim-casa-helena-karpouzas
Treliça de fio de nylon com trepadeira jasmim
jardim-hk-piscina
Jardim da piscina

Áreas verdes para lazer dos condomínios no litoral

As áreas verdes dos condomínios das praias no litoral proporcionam momentos de lazer incríveis.  Condomínios de casas em praias como  Xangri-lá possuem piscinas, tobogãs de água, lagos para passeios de esqui-aquático, caiaque: tem de tudo para se divertir e descansar na praia.

Condominio Lagos park- lago, ilha e tobogã  Foto: Helena Schanzer
Condominio Lagos park- lago, ilha e tobogã Foto: Helena Schanzer

Se não quiser ir até a beira do mar, tem praia artificial com areia do mar. E sem vento nordestão.

DSC00711
Praia artificial – Foto: Helena Schanzer

 

 A criançada não para um minuto!
A criançada não para um minuto!

DSC00716

 

DSC00720
Condominio Lagos park Foto: Helena Schanzer

 

Condominio Lagos park- lago   Foto: Helena Schanzer
Condominio Lagos park- lago Foto: Helena Schanzer

Veja plantas resistentes para cultivar no jardim da praia!

Conheça plantas nativas para plantar no jardim e atraia beija-flores!

Siga o Blog Jardim de Helena nas redes sociais:

Facebook / Instagram / Twitter

 

 

Porque as árvores caem durante o temporal?

As árvores caem quando ocorre um temporal por vários motivos: estão doentes e podres por dentro, a área do entorno no piso está pavimentada impedindo a drenagem correta da água, tipo de  solo que encharca demais, a espécie e o tamanho são inadequados ao local onde foi plantada, ou uma espécie que tomba facilmente. Árvores são seres vivos: crescem, podem adoecer,  morrem e precisam  de cuidados. Árvores também são seres sociais:  na natureza crescem em grupos e com espécies diversificadas no mesmo bosque. Na cidade costuma-se plantar árvores isoladas, sem variedade e ainda de espécies altas ou com sistema radicular superficial.  Para piorar, ainda fazem um canteiro pequeno para suas raízes e colocam piso na volta. Tudo isto acaba conspirando para quando ocorra um temporal, ocasione a desestabilização da árvore e suas raízes e, com  o vento, tomba.

Árvore caída na rua durante temporal – Foto: radio Gaucha

É necessário que o solo permita que a água escoe bem, de modo a evitar alagamentos.  Uma medida excelente para diminuir o impacto água da enxurrada é  a implantação de cobertura verdes ou telhados verdes que contribuem para absorver a chuva. A camada de vegetação em uma cobertura viva age como uma grande esponja da chuva forte , devolvendo a água ao sistema pluvial lentamente. Existem espécies de árvores que costumam cair como eucalipto, guapuruvu, entre outras. Plantar árvores grandes junto de casa não é indicado. Importante também são os cuidados com a árvore: poda de galhos secos ou doentes, retirar espécies parasitas, entre outros.

Árvore cultivada isolada caída no temporal – Foto: radio Gaucha

O planejamento urbano deve preservar e incentivar zonas com mais vegetação, menos árvores solitárias com raízes bloqueadas pelo concreto, espécie inadequadas e sem cuidado. Por exemplo, uma área de mato com árvores nativas como da foto abaixo, nenhuma árvore ou galho caíram depois do temporal. Enquanto na cidade, dezenas de árvores caíram causando acidentes. Como se observa no mato abaixo, os galhos das árvores formam uma trama aérea que oferece suporte e evita que galhos e árvores caiam. Fundamental é observar constantemente a saúde as árvores. E as folhas das árvores  podem entupir os bueiros?  Não, as folhas se decompõe e de modo geral são pequenas.  No caso do mato, ainda se transforma em uma camada de húmus fértil.  Os sacos plásticos e o lixo largado nas ruas é que entopem os bueiros e as bocas de lobo causando inundações.

Mato nativo, as copas das árvores seguram uma às outras – foto: Helena Schanzer

 O monitoramento das árvores constante é fundamental para analisar as condições fitossanitárias das mesmas. Existem aparelhos de ultrassom  para examinar a saúde das árvores e indica se a árvore está saudável ou se corre o risco de cair. Desta forma, é possível precaver-se para que a árvore seja removida ou ter a lesão cuidada.  Existem técnicas como a  dendrocirurgia para tratarmos as partes danificadas da árvore por fungos ou pragas, onde  se recompõe o tronco, devolvendo estabilidade à árvore.

OBS: O que aconteceu na noite de 29/01/2016 em Porto Alegre e destruiu centenas de árvores foi um ciclone, vai além das situações descritas aqui no post.

 

 

Siga o Blog Jardim de Helena nas redes sociais:

Facebook / Instagram / Twitter

 

 

 

Jardim em sítio na serra gaúcha

A casa de enxaimel, tão típica da região serrana foi restaurada e o jardim também buscou resgatar o que se usava nas construções tradicionais do local. Criei este jardim em 1991 e acompanhei a implantação dele. Criamos as taipas, tão típicas da região. Antigamente se faziam muros baixos de pedra sem uso de argamassa e esta tradição está sendo esquecida.

jardim-em-casa-em-sitio
A taipas de pedra emolduram a casa e criam floreiras junto ao deque da sala.
jardim em sítio
O jardim em 1991 , logo que foi implantado.
alameda
Alameda na entrada do sítio, clima bem natural

jardim-em-sitio

sitio-recantos-2

pomar
Pomar

Antiga fazenda de café virou a maior floresta urbana replantada do planeta

Há 154 anos, uma antiga fazenda de café tornou-se uma das maiores florestas urbanas do planeta.  Uma das maiores riquezas naturais da humanidade, o Parque Nacional da Tijuca, localizado no coração do Rio de Janeiro, protege a maior floresta tropical urbana replantada do planeta. A mata atlântica original da floresta foi derrubada no século 18 para se transformar em uma plantação de café. Em 1861, um agrônomo visitou a área junto com Dom Pedro II e orientou que, se não protegessem os diversos mananciais e fontes naturais da área, não haveria água na cidade do Rio de Janeiro no futuro!  Então, Dom  Pedro II desapropriou as fazendas de café e ordenou que a floresta fosse toda replantada com espécies da vegetação da mata  atlântica.

1024px-Floresta_tijuca_pico_tijuca_mirim common wikipedia  by Halleypo
Floresta da Tijuca -pico Tijuca      Foto: common wikipedia by Halleypo

O Parque Nacional da Floresta da Tijuca foi criado em 1961 e ocupa uma área de 3.300 hectares. Na floresta existe uma diversidade de espécies como jacarandá, jequitibá, orquídeas, bromélias, paineiras, ipês e animais como macaco-prego, sagui-estrela, quatis, cotias e pássaros. São mais de 46 mil árvores e 877 espécies diferentes.

  Cachoeira  Floresta da_Tijuca,_Rio_de_Janeiro,_Brazil(2)  common wikipedia  Foto  Beth Castelo
Cachoeira na Floresta da Tijuca, Rio de Janeiro -Brasil Foto Beth Castelo common wikipedia.

Com uma extensão de 3.953ha de Mata Atlântica, é o Parque Nacional mais visitado do Brasil, recebendo mais de três milhões de visitantes por ano, entre brasileiros e estrangeiros de todas as idades.

Caro leitor,  pergunto a você: há 154 anos atrás pessoas pensaram em preservar fontes de água para que outras gerações tivessem água potável.  E  nossa geração, o que está fazendo para preservar a água para o futuro? Quantas florestas nativas estamos plantando e preservando?