Arquivo da tag: preservação ambiental

Cidade-jardim é a inspiração do bairro Vila Assunção

O bairro Vila Assunção, localizado na zona sul de Porto Alegre, tem características que o tornam muito especial. O bairro que costeia a margem do Rio Guaíba, tem predomínio de casas, muita área verde e jardins. O rio Guaíba margeia o bairro e contribui para deixar a paisagem mais bucólica. Quem mora por aqui busca qualidade de vida, tranquilidade e maior contato com a natureza, com o rio e com a vegetaçãoO bairro Vila Assunção foi planejado no ano 1937 com um conceito diferenciado,  como uma “cidade-jardim” numa gleba de 130 hectares.

vista 2
Vista da Vila Assunção para a cidade de Porto Alegre – Foto: Helena Schanzer

Cidade-jardim” ou “Bairro-jardim” é um bairro planejado segundo o conceito inglês de “Garden-city”  e apresenta praças, parques, intensa arborização em suas calçadas e traçado urbano diferenciado, podendo ser tortuoso, circundado por amplas avenidas.

O desenho das ruas das cidades em geral, até então, tinham um padrão com um traçado tipo “xadrez”, ortogonal. Na “Cidade-jardim“, as ruas começaram a acompanhar o relevo do terreno natural do bairro, que na Vila Assunção é declivoso e montanhoso. Além disto, na “Cidade-jardim” se busca a integração do homem com a natureza. No caso, através de praças, que até então não era comum e nem obrigatório pela prefeitura da cidade. Também foram planejadas servidões que serviam como ligação entre as praças, áreas verdes e as ruas para os pedestres.

vila assunção
Vila Assunção – praças e área verdes – foto Helena Schanzer

O conceito de cidade jardim foi criado no fim do seculo 19, na Inglaterra, por Ezeneber Howard. A ideia dele era unir o lado bom da área rural com o lado bom da vida urbana. Ou seja, aliar o contato com a natureza com os benefícios  sociais e serviços da vida urbana. Este conceito foi trazido para a Vila Assunção por familias que tinham terras ali e achavam interessante, já na época, este apelo comercial. O urbanista que fez o projeto urbanistico da Vila Assunção foi o engenheiro urbanista  Ruy de Viveiros Leiria e se inspirou em Montevideo, já que ali haviam bairros do tipo cidade-Jardim.

Praça joão bergmann
Praça João Bergmann na Vila Assunção Foto: Helena Schanzer

No bairro Vila Assunção acontece algo interessante: toda a avenida da orla passa na beira da praia do Guaiba e isto é algo raro em Porto Alegre. A maioria da orla está cosntruída e sem contato com o rio. Além da Vila Assunção, outros bairros seguem o conceito de cidade jardim como: Ipanema, Vila Conceição, Pedra Redonda, Espirito Santo, Guarujá e Serraria. Para preservar e recuperar o bairro, existe uma associação dos moradores da Vila Assunção que está preocupada com a especulação imobiliária e o avanço sobre as áreas verdes do bairro.

* Colaborou Arquiteto urbanista André Huyer, especialista em Patrimônio Cultural em Centros Urbanos e Mestre em Planejamento Urbano e Regional.

Veja também:  Jardim, música e poesia no bairro Vila Assunção

Siga Jardim de Helena nas redes sociais:

Facebook / Instagram / Twitter

Natureza preservada: praia do Rosa, em SC, investindo na sustentabilidade ambiental

A natureza preservada agradece: a praia do Rosa só tem a ganhar investindo na sustentabilidade ambiental. A praia do Rosa, em Imbituba, Santa Catarina, está no centro da APA – Área de preservação ambiental da Baleia Franca que vêm acasalar e dar à luz no mar no período de junho à outubro. Além de ser uma APA, a praia do Rosa vem a ser núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. A localidade de Imbituba possui um projeto de Plano Diretor baseado no Desenvolvimento Sustentável, no qual a praia do Rosa se insere.

Foto Helena Schanzer: Vista da lagoa e do mar na praia do Rosa - Solar Mirador Exclusive Resort
Foto: Helena Schanzer – Vista: lagoa e mar na praia do Rosa no Solar Mirador Exclusive Resort

Na década de 70,  a paisagem natural da Praia do Rosa estava descaracterizada porque a mata atlântica havia sido substituída por plantações de mandioca, milho e outros culturas para subsistência da pequena população de pescadores locais.  À partir dos anos 80 ocorreu um movimento de recuperação da mata atlântica na praia do Rosa. Com o crescimento da população local e do turismo, houve um redirecionamento ao longo dos anos para o turismo eco sustentável na região.  A praia avançou na recuperação e preservação da mata atlântica e hoje, por incrível que pareça, tem mais mata nativa, árvores e plantas do que há algumas décadas atrás.

Foto: Helena Schanzer - Vista da Praia do Rosa - Imbituba/SC
Foto: Helena Schanzer – Vista da da lagoa e do mar  da Praia do Rosa – Imbituba/SC

A praia do Rosa é um destino paradisíaco para quem curte a natureza, praia, mar, surf , esportes ao ar livre e na água.  No verão e feriados, a população do local aumenta muito e os resíduos gerados aumentam na mesma proporção.  Diante disto, são feitas fortes campanhas das associações locais em parceria com a prefeitura de Imbituba para conscientização da população para manter a praia limpa e preservar o meio ambiente.  São 120 lixeiras recicláveis distribuídas pela praia com a campanha: “ Jogue limpo com a Praia do Rosa”,  4 garis mantidos pela associação na baixa temporada e na alta, são  15 garis para recolher  o lixo e as bitucas de cigarro que os turistas deixam na areia da praia.

Foto: Helena Schanzer –  Trilhas para as praias limpas e bem cuidadas: pontos para o turismo na região
Foto: Helena Schanzer -- beira do mar na praia do Rosa-Imbituba-SC
Foto: Helena Schanzer – beira do mar na praia do Rosa-Imbituba-SC

Curiosidades sutentáveis da praia do Rosa:

Resíduos:

1. Todo óleo utilizado e descartado nas cozinhas dos restaurantes é recolhido  e um empresa busca para levar para uma central para reciclagem.

2. A maioria das pousadas faz separação de lixo orgânico e seco.  A prefeitura de Imbituba começou este mês a fazer na praia do Rosa a coleta seletiva do lixo seco e  orgânico.

3.  A maioria das pousadas e restaurantes locais fazem a compostagem dos resíduos orgânicos da cozinha no próprio local. Depois, reusam o composto orgânico resultante nos jardins.

Parque Lage é um passeio pela mata tropical carioca

Um parque público legal de visitar no Rio de Janeiro é o Parque Lage. A vegetação tropical é exuberante e fascinante. Repleto de árvores de jaca e palmeiras imperiais que enfeitam os caminhos agradáveis de caminhar. No palacete localizado no parque tem uma cafeteria descolada para um descanso estratégico e também para apreciar a arquitetura do belo palacete da Escola de Artes Visuais. O Parque Lage fica aos pés do morro do Corcovado, na rua Jardim Botânico e ocupa uma área de 52 hectares.

Parque Lage no Rio de Janeiro -Palacete
Parque Lage no Rio de Janeiro -Palacete e morro do Corcovado ao fundo – Foto: Helena Schanzer

O Parque Lage foi tombado em 1957 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como patrimônio histórico e cultural da cidade do Rio de Janeiro. Uma caminhada pelas trilhas do Parque oportuniza a vista de diversos  recantos com muita vegetação.  Até  micos transitam pelas árvores do parque! 

Fruto Jaca
Fruto Jaca pendurado na árvore jaqueira – Foto: Helena Schanzer

O Parque Lage era uma fazenda do industrial Henrique Lage, contava inclusive com engenho-de-açúcar. O paisagista inglês John Tyndale que reprojetou a fazenda em 1840 inspirado nos parques ingleses. O casarão foi projetado pelo arquiteto italiano Mario Vodrel em 1920. Em meados de 1960, após trocar várias vezes de donos, á área foi transformada em parque público. Desde 2004, o Parque Lage é parte do Parque Nacional da Tijuca, sob a administração do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

 

 Passeio pelo Parque Lage – Galeria de fotos  de Helena Schanzer:

 

Veja mais Parques em:

Nova Iorque:  Central Park   Parque High Line    High Line no verão

Califórnia:  Golden Gate Parque, São Francisco

Espanha:  Parque Maria Luisa em Sevilha

Brasil: Parque Esportivo da PUCRS – Porto Alegre

 

 

High Line: conheça o parque construído sobre uma antiga ferrovia em Nova Iorque

High Line é um parque urbano público criado sobre uma ferrovia elevada (a 9 mt do chão*) construída nos anos 1930 que parou de funcionar na década de 1980. Desde então, este espaço estava abandonado.  Em 2009 a área foi revitalizada e transformada em parque. Se estende por 2.6 km em uma das áreas mais movimentadas da cidade de Nova York, na região oeste da ilha de Manhattan.

Foto: Liana V. Verdi -parque High Line em NY
Foto: Liana Viuniski Verdi -parque High Line em Nova York

 

Passear pelo High Line possibilita uma experiência diferente em Nova York. A área do parque cobre mais de dez quadras e você anda sobre uma passarela observando a cidade do alto, com uma vista privilegiada da cidade. Pode-se ver o MOMA (Museu de Arte Moderna), o Empire States Building, a Estátua da Liberdade e ainda avistar o rio Hudson. Caminhar pelo High Line é reconectar-se à cidade de um modo diferente.

Foto: Liana Viunisky  - Vista geral do High Line Parque em Nova Iorque
Foto: Liana Viuniski Verdi – Vista geral do High Line Parque em Nova Iorque
exploring-new-design-features-at-the-rail-yards_list_image  foto divulgação Highlien friends
Foto: High Line Friends Divulgação – bancos no parque
high line vista do witney museum
Foto: Liana Viuniski Verdi -High Line Parque visto do Whitney Museu em Nova Iorque

A organização “Amigos da High Line” e da cidade de Nova York conduziram um processo para selecionar uma equipe de design para o  parque High Line. A equipe selecionada foi James Corner Field Operations, uma empresa de arquitetura paisagística e Diller Scofidio + Renfro e Piet Oudolf (paisagistas). O projeto do High Line é de um telhado verde sustentável, com uso de espécies nativas e de consumo de água sustentável ( baixo consumo e uso de irrigação por gotejamento), além do uso de técnicas de cultivo como mulching ( cobertura morta).

parque High Line em Nova Iorque
Foto: Liana Viuniski Verdi – vista do parque de cima

 

O projeto de plantio do High Line é inspirado na paisagem auto-semeada que cresceu entre os trilhos dos trens. Hoje, o High Line possui mais de 300 espécies de plantas perenes, ervas, arbustos e árvores. Cada um escolhido pela sua rusticidade, capacidade de adaptação, diversidade e variação sazonal na cor e textura.

Pixabay cercis canadensis flores
Foto: Pixabay- Cercis canadensis – arbusto nativo com flores cor de rosa
Foto: Liana Viunisky Verdi - Arbusto nativo dos EUA - Cercis Canadensis Merlot - Flores cor de rosa pink
Foto: Liana Viuniski Verdi – Arbusto nativo dos EUA – Cercis Canadensis Merlot – Flores cor de rosa pink

Algumas das espécies que originalmente cresceram no leito ferroviário do High Line estão na paisagem do parque hoje. As espécies de árvores nativas dos Estados Unidos que crescem no parque High Line: Appalachian Vermelho, Cercis canadensis e Allegheny serviceberry e Amelanchier laevis. Estas espécies não tem nome popular correspondente aqui no Brasil.  Quase metade das plantas são espécies nativas, e muitos foram produzidos por produtores locais. O ecossistema do High Line fornece comida e abrigo para uma variedade de espécies selvagens, incluindo polinizadores nativos.

photo-of-the-week-dawn-viburnum_list_image
Foto: High Line friends – Divulgação – Arbustos nativos – Virbunum
plant-of-the-week-allegheny-serviceberry_list_image
Foto: High Line Friends – Arbusto Allegheny-serviceberry
Foto: Liana Viunisky Verdi -arbustos nativos
Foto: Liana Viuniski Verdi -arbustos nativos
Cotinus ‘Grace’ is a hybrid of the European Cotinus coggygria and a different cultivar ‘Velvet Cloak of the native American smoketree, Cotinus obovatus.
Foto: Liana Viuniski Verdi – arbusto Cotinus ‘Grace’
arbustos nativos espontaneos
Foto: Liana Viuniski Verdi – arbustos nativos espontaneos
Descanso no parque
Foto: Liana Viuniski Verdi – As pessoas  descansam no parque.

*corrigido em 04/07/2015

Parque Maria Luisa: conheça um jardim público bem cuidado em Sevilha, Espanha

O Parque Maria Luisa situado em Sevilha, Espanha, é um jardim público e serve de exemplo como área verde bem cuidada de primeiro mundo. É o parque mais famoso da cidade e um dos seus pulmões verdes. O parque possui 34 hectares.  O parque público foi aberto em 18 de abril de 1914 com o nome de Parque Urbano Infanta María Luisa Fernanda.  O parque foi a residencia real até o ano de 1823, quando foi doado à cidade.  No parque foram construídas as Plaza de Espanha e a Plaza de América por motivo da Exposição Ibero Americana de Sevilha em 1929, destacando-se como seus principais atrativos.

O Parque Maria Luisa é cercado e tem vários portões de acesso. Abre às 8 hr da manhã e fecha às 22 hr. No verão fica aberto até às 24 hr quando acontecem apresentações de jazz e cine-verão no parque. Tem policiamento de moto, de carro e à cavalo. Não acontecem crimes no Parque. O Parque foi  declarado recentemente  um bem de interesse cultural.

Foto: Helena Schanzer – Parque Maria Luiza – Fonte de las Ranas                                                                                                                                  ( fonte das rãs – Fountain of the Frogs )

A Fonte de las Ranas ( Fonte das Rãs)  data de 1914. Consiste de 8 rãs posicionadas na volta do espelho de água com um pato que descansa sobre uma tartaruga no centro. A água jorra pelas bocas dos sapos e do pato e dá nome ao local.  A vegetação inclui belas árvores da espécie olmo ou ulmeiro (Ulmus minor). 

Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luiza - Fonte
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luiza – Fonte de las Ranas                                                                                                                              ( fonte das rãs – Fountain of the Frogs )
Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa - Plaza da America -
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luisa – Plaza das Américas                                                                                                        Pabellon Real (Pavilhão real) – Fonte dos Leões

Nas fotos a seguir podemos apreciar os diversos recantos do parque. Na época da floração da laranjeira, o aroma das flores exala pelo Parque, assim como dos jasmins espalhados pelos recantos.   Muitas espécies tropicais do parque foram trazidas para a exposição ibero-americana.

Dá para conhecer o parque  alugando uma bicicleta ou de carruagem!  Dentro do parque funcionam 2 museus: Museu Arqueológico e Museu de Artes e Costumes Populares.

passeio de carruagem
Foto: Dora Schanzer – passeio de carruagem pelo Parque Maria Luisa
Foto  Pixabay  parque Maria luisa
Foto: Pixabay  –  Parque Maria Luisa
Foto: Dora Schanzer  parque Maria luisa
Foto: Dora Schanzer   – Parque Maria Luisa

Dentro do Parque Maria Luisa está situada a  Plaza de America que tem estilo clássico adornado por estátuas: formato geométrico, simétrico e com roseiras de diversas cores. As roseiras tem irrigação com gotejadores.

Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luisa –  Plaza da America                                                                                                                              Geometria e rosas de cores variadas compõe o jardim

 

Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa -  Plaza da America - rosas de cores variadas compõe o jardim
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luisa – Plaza da America – geometria e rosas de cores variadas

 

Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa -  Plaza da America - rosas de cores variadas compõe o jardim
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luisa – Plaza da America – rosas
Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa -  Plaza da America -
Foto: Dora Schanzer –  cafeteria
Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa -  Plaza da America - Bouganvileas nas paredes
Foto: Dora Schanzer –  Bouganvileas nas paredes
Foto: Dora Schanzer - Parque Maria Luisa - Plaza da America - Bouganvileas nas paredes
Foto: Dora Schanzer – Parque Maria Luisa – Plaza da America – Bouganvileas  no pergolado

 

Coleção de roseiras na Plaza da América no parque: